Teorias da conspiração furadas dizem que o vírus Zika é uma arma biológica


Não faz nem uma semana desde que a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a microcefalia, ligada ao Zika vírus, uma emergência global, e teorias da conspiração já estão pipocando pela internet. Uma pandemia que acendeu uma discussão sobre direito a aborto e sobre uma guerra genética? A família Rockefeller só pode estar envolvida.

>>> O vírus zika pode estar causando paralisia em centenas de adultos no Brasil

Eis algumas “teorias” sobre a origem do vírus Zika, colhidas do bastião do discurso científico racional, também conhecido como internet.

Mosquitos geneticamente modificados/Oxitec

aedes-aegypt

Talvez o mais difundido dos rumores espalhados online é que o surto do Zika foi causado por mosquitos geneticamente modificados liberados por uma empresa de controle de insetos chamada Oxitec. É verdade que a Oxitec atua na área de criação de mosquitos geneticamente modificados, e também é verdade que a Oxitec conduziu testes desses insetos aqui no Brasil, mas aqui acaba o vínculo da teoria com a realidade.

>>> Mosquito geneticamente modificado é solto em Piracicaba para conter a dengue

Os mosquitos da Oxitec carregam um traço genético hereditário que torna qualquer um dos seus descendentes incapaz de sobreviver sem o antibiótico tetraciclina. Quando uma fêmea selvagem cruza com um macho geneticamente modificado, as larvas morrem antes de chegar à vida adulta. Para a teoria que envolve a Oxitec funcionar, um punhado de mosquitos geneticamente modificados tem que ter sido liberado com grandes quantidades de tetraciclina.

Além disso, a empresa de controles de insetos tinha um monte de vírus Zika guardados? E de alguma forma o epicentro do surto da Zika começou a centenas de quilômetros de onde a Oxitec estava conduzindo seus testes? Ainda por cima, em que mundo mosquitos programados para morrer são prováveis responsáveis por uma pandemia?

Essas são questões que não podem ser respondidas facilmente.

Experimentos com macacos dos Rockefeller/Illuminati

Você sabia que o governo dos EUA tem o vírus Zika em seus arquivos biológicos desde 1947? Você sabia que o vírus Zika foi originalmente isolado de macacos criado em um laboratório secreto da família Rockefeller e está disponível para venda online?

A ideia de que a epidemia atual do Zika tem como origem amostras obtidas a partir da American Type Culture Collection (ATCC) é uma categoria especial de paranoia. Sim, a ATCC possui conhecidas amostras de patogênicos em sua coleção de cultura biológica, e sim, o Zika está entre elas, e SIM, cientistas podem requisitar acesso a esses espécimes para fins de pesquisa. Mas não é exatamente como comprar uma pizza online. Se você fizer um pedido de qualquer espécime que for minimamente patogênico, precisa apresentar uma série de credenciais, e também precisa ter esses documentos legais assinados por representantes da sua instituição de pesquisa.

E de novo – podemos confiar em qualquer organização associada com o homem que afundou o Titanic?

Controle populacional/Vacinas/Bill Gates

bill-gates

Claro que é controle populacional – por qual outro motivo a principal vítima do vírus são as mulheres grávidas? E qual o melhor jeito de colocar o plano em prática do que através de vacinas?

Existem algumas versões diferentes dessa teoria espalhadas por aí, e é tudo um pouco nebuloso. Mas eis alguns “fatos” que coletei a partir de uma “pesquisa”:

– No fim de 2014, o governo brasileiro adicionou difteria, tétano e coqueluche à lista de vacinas de rotina para mulheres grávidas
– O vírus Zika se espalhou pelo país em 2015
– A fundação Bill and Melinda Gates recentemente lançou um programa para estudar as respostas imunológicas das mulheres grávidas às vacinas contra difteria, tétano e coqueluche. Supostamente, esse seria o “teste da segurança do regime de vacina”. No entanto:
– Bill Gates é um conhecido eugenista

Deixo vocês chegarem às suas próprias conclusões.

[Discovery News, Science Blogs]



Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *