Grupo alemão Kraftwerk perde batalha jurídica sobre direitos autorais



Kraftwerk foi a atração principal do primeiro dia do Sónar (Foto: Daniel Vorley/ Getty Images/ Divulgação)Kraftwerk no Sónar (Foto: Daniel Vorley/ Getty Images/ Divulgação)

O Tribunal Constitucional alemão rejeitou nesta terça-feira (31) a demanda do grupo alemão de música eletrônica Kraftwerk que reivindicava desde 1997 seus direitos sobre um fragmento musical que foi utilizado por uma cantora de rap sem seu consentimento.

O Tribunal considerou que quando a vulneração dos direitos é “marginal, então a liberdade artística prevalece sobre os interesses do proprietário dos direitos autorais”.

Trata-se de uma decisão com consequências potencialmente importantes principalmente para a música hip-hop, que recorre enormemente ao “sampling”, ou seja, ao uso de trechos breves de músicas de outros artistas.

Esta resolução, que deve estabelecer jurisprudência, invalida a sentença do Tribunal federal de justiça, que deu razão em 2012 ao Kraftwerk ao considerar que inclusive a utilização de um “fragmento sonoro” de uma peça original estava submetida a direitos autorais e de exploração.

Ralf Hütter e Florian Schneider-Esleben, integrantes do lendário grupo alemão, iniciaram em 1997 esta disputa jurídica envolvendo um trecho de dois segundos da música “Metall auf Metall” (1977), tocado em “looping” pela rapper alemã Sabrina Setlur em sua canção “Nur mir”.

Durante a audiência ante o Tribunal Constitucional em novembro de 2015, a representante do Estado, Hubert Weis, defendeu a prática muito disseminada do sampling e considerou que “a liberdade artística deve prevalecer” sobre os interesses da indústria musical.





Source link

A tática agressiva da Microsoft para o Windows 10 pode ter irritado um país inteiro


O governo da China frequentemente usa a agência estatal de notícias Xinhua para expressar seus pontos de vista sobre as empresas de tecnologia do Ocidente. E uma notícia recente critica as táticas da Microsoft para fazer usuários atualizarem para o Windows 10.

>>> Microsoft, pare de instalar o Windows 10 à força
>>> Prévia do Windows 10 traz ajustes no menu Iniciar e maior integração com notificações

“A empresa abusou de sua posição dominante no mercado e quebrou as normas de se jogar limpo”, afirma Zhao Zhanling, consultor jurídico da Sociedade da Internet da China (ISC), à Xinhua. Ele diz que os usuários e organizações de defesa ao consumidor têm o direito de processar judicialmente a Microsoft.

Segundo a Computerworld, a ISC tem o apoio de diversas agências governamentais chinesas, incluindo o Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação, o Ministério da Educação e o Gabinete de Informação do Conselho de Estado.

Segundo a Xinhua, o microblog chinês Weibo acumula 1,2 milhão de menções sobre o Windows 10 – várias delas negativas – e a Microsoft ensinou na mesma rede social como voltar a uma versão antiga do sistema.

Mais agressiva

O Windows 10 está sendo oferecido gratuitamente para usuários de cópias legítimas do Windows 7 e 8.1. Desde o início do ano, essa atualização passou de “opcional” para “recomendada”. Em tese, o sistema deveria perguntar se você quer instalar o Windows 10 ou não; na prática, a Microsoft violou as próprias regras de design para fazer usuários “aceitarem” a atualização.

Este mês, a Microsoft mudou silenciosamente a mensagem “Baixe o Windows 10″. Antes, se você fechasse a janela, o sistema entendia que você não queria a atualização, e ela não era instalada. Agora, quase um ano após acostumar os usuários a recusarem a instalação dessa forma, fechar a janela significa que você concorda em atualizar.

3163284

Não existe um botão “Atualizar depois” para cancelar a instalação, para se contrapor ao enorme botão “OK”: você precisa clicar em um link discreto que faz surgir uma caixa de diálogo para recusar o Windows 10.

3163285

É uma tática que os piores instaladores usam para colocar programas desnecessários em seu PC, e é lamentável que a Microsoft esteja seguindo os mesmos passos. Como nota a Computerworld, isso viola diretrizes da própria Microsoft.

As diretrizes de interface para o Windows dizem que, nas caixas de diálogo, “o botão Fechar na barra de título deve ter o mesmo efeito que o botão Fechar ou Cancelar na caixa de diálogo. Nunca dê a ele o mesmo efeito que OK”. Outro documento da Microsoft diz: “Nunca clique em ‘Concordo’ ou ‘OK’ para fechar uma janela que você suspeita que pode ser spyware. Em vez disso, clique no ‘x’ vermelho no canto da janela”.

Mas, como notamos antes, tudo isso faz parte dos planos da Microsoft. “Especialistas acreditam que a atualização agressiva está sendo empurrada à medida que a empresa tenta assegurar participação de mercado em face de concorrentes como Google e Apple. A empresa vai usar o Windows 10 como uma plataforma para desenvolvimento de aplicativos”, diz a Xinhua. O Windows 10 chegou a 300 milhões de dispositivos ativos; a Microsoft quer 1 bilhão até o final de 2017.

A Microsoft explica aqui como desligar os alertas de notificação para o Windows 10: clique com o botão direito na barra de tarefas, selecione Propriedades, vá até Área de notificação e selecione Personalizar. Na janela Ícones da área de notificação, encontre “GWX” na lista e selecione “Ocultar ícone e notificações”.

3157350

Problemas

Se você usa e gosta do Windows 10, ótimo! Mas não deveria ser difícil entender que muitos usuários preferem permanecer em versões anteriores do Windows – que funcionam plenamente como deviam – em vez de migrar para uma versão que pode ser problemática.

No meu caso, o Windows 10 só começou a funcionar direito com a build 14332, lançada no final de abril, que iniciou um foco maior em resolver bugs (Bug Bash) em relação a adicionar novos recursos. Antes, o Wi-Fi parava de funcionar após cerca de uma hora, tanto no programa Insider (que costuma ter bugs) como na versão estável, que rodavam em triple boot com o Windows 8 – único que nunca teve esse problema.

No ano passado, até mesmo a versão estável tinha bugs mais profundos – o menu Iniciar travava e eu precisava logar novamente, por exemplo. Felizmente, esse tipo de erro não aconteceu mais.

CShPkokWsAEQc4R

Outros usuários passam por problemas ainda mais graves: periféricos que param de funcionar; recuperação de sistema que nunca acaba; entre outros. Se uma atualização do iOS é capaz de inutilizar iPads, imagine o potencial de falhas no ecossistema de PCs, que tem muito mais variáveis. O Anniversary Update pode aliviar a situação, mas ele só chegará a todos os usuários no terceiro trimestre.

Fora, é claro, as pessoas que aceitaram instalar o Windows 10 sem querer e o sistema escolhe o momento mais inconveniente para isso – durante o expediente, por exemplo.

A atualização gratuita para o Windows 10 acaba em 29 de julho.

[Xinhua via Computerworld]

Foto por Elaine Thompson/AP



Source link

Thomas Fekete, guitarrista do Surfer Blood, morre aos 27 anos



Surfer Blood, com o líder John Paul Pitts à esquerda e o guitarrista (afastado para tratamento) Thomas Fekete do seu lado direito (Foto: Divulgação)Surfer Blood, com o líder John Paul Pitts à esquerda e o guitarrista Thomas Fekete do seu lado direito (Foto: Divulgação)

O guitarrista Thomas Fekete, da banda de rock alternativo Surfer Blood, morreu aos 27 anos após lutar contra uma forma agressiva de câncer, diagnosticado no ano passado. Thomas tinha um câncer raro, que se espalhou por parte dos pulmões e coluna.

A notícia foi compartilhada pela mulher de Thomas, que disse que ele morreu na noite desta segunda (30). “Estou muito tranquila em saber que ele agora está livre, e espero o dia em que estarei com ele de novo”, ela escreveu na página do site GoFundMe.

Thomas era um dos membros fundadores do Surfer Blood, que começou em 2009. O guitarrista tocou em todos os três álbuns de estúdio e um EP do grupo.

Em 2015, a banda fez uma campanha no site GoFundMe.com para arrecadar US$ 76 mil para a retirada de um “grande tumor no abdome” do músico.

Em novembro, o Surfer Blood uniu Real Estate, Yo La Tengo, Guided by Voices, Yoko Ono, Interpol, e outros artistas em um leilão de canções inéditas para levantar fundos. Em dezembro, Thomas lançou “Burner”, uma fita cassete solo.

 





Source link

Um estado quântico faz o gato de Schrödinger ocupar dois lugares ao mesmo tempo


Os físicos quânticos parecem ter um grande interesse em gatos. Você deve conhecer o paradoxo do gato de Schrödinger; e temos um estado quântico que torna esse paradoxo ainda mais intrigante.

>>> Como funciona um computador quântico?
>>> Agora existe um computador quântico que qualquer um pode usar remotamente

No experimento mental de Erwin Schrödinger, um gato é preso no compartimento de uma caixa; no outro compartimento, há uma pequena quantidade de substância radioativa. Se essa substância decair – isto é, se houver atividade radioativa – um veneno mata o gato. No entanto, você só saberá se o gato está vivo ou morto quando abrir a caixa. Até lá, ele estará em um estado “vivomorto”.

Isso ilustra um dos conceitos contra-intuitivos da física quântica: a sobreposição. Até ser observado, um sistema físico (como um elétron) existe parcialmente em todos os estados teoricamente possíveis ao mesmo tempo; quando é observado, ele se mostra em um único estado.

Schrodingers_cat.svg
Gato, veneno, e uma fonte radioativa em uma caixa fechada. (Dhatfield/Wikimedia)

Agora, físicos da Universidade Yale descobriram como fazer um mesmo “gato” que “vive” e “morre” em duas caixas ao mesmo tempo. Tecnicamente, este não é um gato real, e sim um estado em que duas (ou mais) partículas estão interligadas em dois estados diferentes ao mesmo tempo.

Dividindo o gato de Schrödinger

Em 2005, físicos do NIST conseguiram reproduzir a ideia do experimento de Schrödinger em laboratório, com seis átomos em estados “spin up” e “spin down” simultâneos – é como se eles estivessem girando no sentido horário e anti-horário ao mesmo tempo. Desde então, outros físicos fizeram algo semelhante com fótons.

Os físicos de Yale adicionaram uma complicação adicional: não só os fótons exibem mais de um comportamento ao mesmo tempo (superposição), como também estão entrelaçados – isto é, se um mudar de estado, o outro também vai, mesmo que eles estejam separados. É um dos aspectos mais estranhos da mecânica quântica – Albert Einstein a apelidou de “ação fantasmagórica à distância”.

Para tanto, os físicos criaram uma pequena câmara com duas cavidades separadas feitas de alumínio. Os fótons de micro-ondas ricocheteavam ao redor no interior das cavidades, e a equipe conseguiu conectá-los com um átomo artificial supercondutor de safira.

Assim, eles se tornaram uma única entidade (um “gato”) que assumiam mais de um estado (“vivo” e “morto”) ao mesmo tempo. O gato “não fica apenas em uma caixa, porque o estado quântico é compartilhado entre as duas cavidades e não pode ser descrito separadamente”, diz o autor principal, Chen Wang, em comunicado. O trabalho foi publicado na revista Science.

Computação quântica

Esta pesquisa tem implicações para a computação quântica. Ao contrário de um computador clássico, com bits representando 0 e 1, um computador quântico armazena informações em “qubits”. Um qubit pode estar em dois estados ao mesmo tempo, tanto 0 e 1, assim como o gato de Schrödinger está simultaneamente vivo e morto até que uma medição ou observação seja feita.

Isto cria uma situação muito delicada: a informação quântica deve ser blindada de todo o ruído externo no ambiente ao redor. A menor interferência – um único fóton esbarrando no átomo que você usou para codificar e armazenar suas informações, por exemplo – fará com que o sistema inteiro perca a coesão, de tal forma que a superposição é perdida.

Criar “cat states” – isto é, entrelaçar partículas com comportamento diferente – é interessante porque poderia ser muito útil para armazenar informação quântica. De acordo com o coautor Robert Schoelkopf, este é “o primeiro passo para operações lógicas entre dois bits quânticos”, que também permite correção de erros.

Imagem: Michael S. Helfenbein/Universidade Yale



Source link

O processador mais potente da Intel para desktops tem dez núcleos e custa caro


A Intel preparou um novo processador para quem precisa de força bruta no desktop: o Core i7 Extreme Edition tem dez núcleos, cada um rodando a até 3,5 GHz – e claro que ele não sairá barato.

>>> Processadores da Intel mudam para ciclo de três fases e deixam de lado a lei de Moore

Segundo a PC World, o novo processador Broadwell-E – o nome completo é Core i7-6950X Extreme Edition – é dedicado para jogos e geralmente roda a 3 GHz, mas tem um modo boost que chega a 3,5 GHz.

O que isso significa no mundo real? A Intel alega que o chip processa vídeo 4K e jogos até 25% mais rápido que o top de linha anterior (i7-5960X), e renderiza conteúdo 3D até 35% mais rápido. É o processador de desktop mais poderoso que você pode comprar da Intel.

São 25MB de memória cache e um TDP – máximo de energia dissipada pelo CPU – de 140 watts. Há suporte à tecnologia Intel Turbo Boost Max 3.0, que permite fazer overclock para até 3,8 GHz.

Tudo isso vai custar cerca de US$ 1.700. Há variantes mais baratas – US$ 1.100 por oito núcleos, US$ 600 por seis núcleos – mas eles não oferecem o poder bruto do processador deca-core.

Quanto essa brincadeira vai custar no Brasil? O preço oficial ainda não foi revelado, mas vale a comparação: o i7-5960X – até então o processador mais potente da Intel – custa cerca de US$ 1.000 nos EUA e entre R$ 5.000 e R$ 7.000 por aqui. Melhor preparar o cartão de crédito.

[PC World]

intel-broadwell-e-pricing-updated-100663670-orig
Imagens por Intel



Source link

Estas são as imagens mais nítidas que conseguiremos de Plutão



A sonda New Horizons pode estar a milhões de quilômetros além de Plutão no Cinturão de Kuiper, mas ela ainda não parou de enviar imagens do seu encontro com o pequeno mundo gelado mais estranho do sistema solar. Um novo vídeo da NASA revela as imagens mais detalhadas da superfície de Plutão já capturadas – e elas são incríveis.

>>> Um objeto longínquo mais distante que Plutão está entrando em foco
>>> Nova imagem da New Horizons mostra as camadas da atmosfera de Plutão

De uma distância de 15.850 km, o instrumento Long Range Reconnaissance Imager da espaçonave conseguiu uma resolução de 80 metros por pixel de uma faixa de 90 km do planeta anão. Das crateras no planalto até as planícies de nitrogênio congelado, a superfície áspera e diversificada de Plutão ganha vida como se você estivesse passeando por lá de helicóptero.

O vídeo abaixo junta todas as imagens em alta resolução capturadas pela New Horizons durante a passagem da sonda pelo planeta no dia 14 de julho de 2015.