Luan Estilizado grava com Elba para EP junino que também terá Teló e Fagner




Elba Ramalho e Luan Forró Estilizado Reprodução / Facebook Elba Ramalho Elba Ramalho participa do EP com repertório junino que será lançado em maio por Luan Forró Estilizado. A gravação foi feita nesta primeira semana de abril, na casa da cantora paraibana, na cidade do Rio de Janeiro (RJ). Projeto criado em 2010 pelo cantor e sanfoneiro (também) paraibano José Luan Barbosa da Silva, a banda de forró Luan Forró Estilizado prepara disco direcionado ao circuito de São João que movimenta a indústria musical do nordeste do Brasil nos meses de junho e julho. Os cantores Bell Marques, Fagner e Michel Teló também participam do EP junino de Luan.



Source link

Vem à tona, com boas canções, álbum feito por João Donato com Ritchie em 1989




No segundo semestre de 2016, João Donato gravou em dupla com o filho Donatinho um álbum, Sintetizamor (lançado em 2017), em que se permitiu dar voz a canções formatadas basicamente com sintetizadores. Uma das dez músicas do repertório inédito e autoral desse disco é Hao chi, tema instrumental composto por pai e filho, sem parceiros. Até então, Hao chi era inédita em disco, mas, a rigor, tinha sido gravada por Donato em 1989, ano em que o artista se aventurou a fazer álbum calcado nos sintetizadores pilotados por Donato com Ritchie, cantor, compositor e músico inglês que vivia no Brasil desde os anos 1970 e que fizera grande sucesso na primeira metade da década de 1980. Hao chi foi registrada por Donato no estúdio de Ritchie, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), para álbum, Janela da Urca, que somente vem à tona 29 anos após a gravação. Janela da Urca é um dos três álbuns inéditos embalados na caixa A mad Donato, lançada pelo selo Discobertas em março deste ano de 2018. Além dos três álbuns, uma também inédita compilação de gravações raras completa o lote de CDs da valiosa caixa. Capa da caixa ‘A mad João Donato’ Divulgação / Selo Discobertas Técnico de gravação do disco, Ritchie comandou o uso dos sintetizadores com sabedoria, evitando pasteurizar a música de Donato com excesso de timbres. Editado pelo pesquisador musical Marcelo Fróes, que desde 2014 vasculha o acervo pessoal do compositor e pianista acriano, o álbum Janela da Urca é álbum pontuado por canções com letras, cantadas pelo compositor com voz opaca, mas com grande musicalidade. Esse tipo de disco, com canções cantadas, não é muito comum na discografia de Donato. Dentre as (boas) canções de Janela da Urca, cabe destacar a rara A música do amor (feita por Donato com letra do compositor e poeta cearense Fausto Nilo), O amor se derrama – parceria bissexta de Donato com Antonio Cicero e Paulinho Lima até então somente registrada oficialmente em disco lançado em 1995 pelo ator e cantor Eduardo Conde (1946 – 2003) – e Entre o sim e o não (João Donato e Abel Silva, 1995), música lançada em 1995 em gravações das cantoras Simone e Lisa Ono. São canções aboleradas, com doses equilibradas de romantismo e latinidade. Lua dourada – música apresentada por Donato em 1986 no álbum Leilíadas com o título de Leila VI e reapresentada em Janela da Urca em duas versões cantadas (com a letra de Fausto Nilo e com adesão vocal de Ritchie) e em registro instrumental – se enquadra nesse formato palatável que vem seduzindo intérpretes desde meados dos anos 1970. Janela da Urca, o improvável álbum feito por João Donato com sons sintetizados por Ritchie, abre espaço para tais canções. (Cotação: * * * *)



Source link

Samba inédito de Caetano agrega valor ao show que junta Bethânia e Pagodinho




O fato de o show De Santo Amaro a Xerém apresentar músicas inéditas no roteiro agrega valor adicional à turnê que promove, no palco, o encontro inusitado e também inédito de Maria Bethânia com Zeca Pagodinho. Inclusive porque uma dessas músicas é contribuição de Caetano Veloso. Caetano compôs para o show um samba de roda naturalmente intitulado De Santo Amaro a Xerém – nome do espetáculo e também de outro samba de roda de autoria de Leandro Fregonesi que vem sendo ensaiado pelos cantores. Afinal, desde o álbum Âmbar (1996), lançado há 22 anos, Bethânia não ganha música inédita do mano Caetano. Cabe lembrar que a cidade natal dos baianos Bethânia e Caetano, Santo Amaro da Purificação (BA), é uma das terras do samba de roda da Bahia. Na letra do samba, Caetano ergue a ponte que liga Santo Amaro ao bairro de Xerém, QG do carioca Zeca Pagodinho no município fluminense de Duque de Caxias (RJ). Essa ponte Rio-Bahia sustenta o conceito do show, embora o roteiro tenha set cantado somente por Bethânia e outro somente por Zeca, além dos esperados duetos. Além dos sambas de roda, o roteiro também poderá incluir outra música inédita de Leandro Fregonesi. O compositor carioca celebra afetuosamente a cidade de Santo Amaro da Purificação (BA) no samba Pertinho de Salvador. Esse samba inédito também vem sendo ensaiado por Bethânia e Padoinho (em foto de Daryan Dornelles). A turnê nacional do show De Santo Amaro a Xerém começa no próximo sábado, 7 de abril, na casa Classic Hall, em Olinda (PE), seguindo depois para Salvador (BA), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG) e São Paulo (SP) com o encontro de Bethânia e Pagodinho.



Source link

Arnaldo Antunes 'choca' disco que será beneficiado pela turnê dos Tribalistas




“Chocando um novo disco. Aguardem”. Somente com essas palavras, escritas em post publicado com a imagem de dois ovos no mato, Arnaldo Antunes sinaliza nas redes sociais que se prepara para lançar um álbum de músicas inéditas em meio aos preparativos para a primeira turnê do trio Tribalistas, programada para acontecer entre agosto e setembro deste ano de 2018. O último álbum de estúdio do cantor e compositor paulistano foi o anêmico Já é (2015), lançado há três anos com produção assinada por Kassin – disco ao qual se seguiu, em 2017, DVD com o registro de show captado em Lisboa. O próximo álbum de Arnaldo será o 11º título da discografia solo de estúdio do ex-Titãs – ou o 12º se contabilizado o CD lançado em 2000 com a trilha sonora composta por Arnaldo (em foto de Daniel Mattar) para balé do Grupo Corpo. De qualquer forma, esse novo disco da carreira solo do cantor – iniciada há 35 anos com a edição do concretista álbum Nome (1993) – será beneficiado pela visibilidade atípica alcançada pelo artista em 2018 por conta da turnê dos Tribalistas, alavancada na mídia e nas redes sociais pela presença de Marisa Monte no trio.



Source link

Dupla Marcos & Belutti se une a Marília Mendonça no ritmo latino da bachata




Depois da onda de reggaeton, outro ritmo da música latina começa a invadir o universo pop brasileiro. É no ritmo da bachata – gênero da República Dominicana, recorrente no cancioneiro de artistas como o cantor e compositor Juan Luis Guerra, para citar somente um exemplo – que a dupla Marcos & Belutti se junta pela primeira vez com a cantora Marília Mendonça no single Cancela o sentimento. Disponível nas plataformas digitais desde ontem, 2 de abril de 2018, o single do trio apresenta música inédita composta por Luiz Henrique Paloni, Matheus Marcolino e Vinicius Poeta. A produção do single Cancela o sentimento é assinada por Fernando Zor.



Source link

Gorillaz faz show em SP; FOTOS




Banda virtual, que tem telão com personagens de desenho, é comandada por Damon Albarn. Grupo tocou pela primeira vez em São Paulo, no Jockey Club, nesta sexta (30). Banda virtual Gorillaz se apresenta em São Paulo pela primeira vez Celso Tavares/G1 Gorillaz fala sobre show em SP, carne de baleia, mísseis nucleares e dedos perdidos; Veja entrevista em quadrinhos Damon Albarn toca com o Gorillaz em São Paulo Celso Tavares/G1 Damon Albarn toca com o Gorillaz em São Paulo Celso Tavares/G1 Damon Albarn toca com o Gorillaz em São Paulo Celso Tavares/G1 Damon Albarn toca com o Gorillaz em São Paulo Celso Tavares/G1 Damon Albarn toca com o Gorillaz em São Paulo Celso Tavares/G1 Gorillaz toca em São Paulo Celso Tavares/G1 Damon Albarn toca com o Gorillaz em São Paulo Celso Tavares/G1 Damon Albarn toca com o Gorillaz em São Paulo Celso Tavares/G1 Damon Albarn toca com o Gorillaz em São Paulo Celso Tavares/G1 Damon Albarn toca com o Gorillaz em São Paulo Celso Tavares/G1 Gorillaz toca em São Paulo Celso Tavares/G1 Gorillaz toca em São Paulo Celso Tavares/G1 Gorillaz toca em São Paulo Celso Tavares/G1 Gorillaz toca em São Paulo Celso Tavares/G1 Gorillaz toca em São Paulo Celso Tavares/G1 Gorillaz toca em São Paulo Celso Tavares/G1 Gorillaz toca em São Paulo Celso Tavares/G1 Gorillaz toca em São Paulo Celso Tavares/G1 Gorillaz toca em São Paulo Celso Tavares/G1 Damon Albarn toca com o Gorillaz em São Paulo Celso Tavares/G1 Damon Albarn toca com o Gorillaz em São Paulo Celso Tavares/G1 Damon Albarn toca com o Gorillaz em São Paulo Celso Tavares/G1



Source link

Com clipe para filho autista, Godá promove álbum que evoca o folk e country dos EUA




Fossem cantadas em inglês, canções autorais como Adiante, Dias passados e Junto a você poderiam figurar em disco de cantor norte-americano de folk. Mas as letras são em português e corroboram o tom autobiográfico de Nômade, álbum do cantor, compositor e músico paulistano Renato Godá (em foto de Cisco Vasques). O disco foi lançado em edição digital em 24 novembro de 2017, ganhou edição física em CD neste ano de 2018 e está sendo promovido hoje, 2 de abril, Dia mundial de conscientização do autismo, com o lançamento do clipe da música Chegada. Assim como o clipe, a música é homenagem de Godá ao filho autista, Tom, de oito anos. Chegada é a canção de tom mais pessoal, confessional e poético de Nômade, álbum produzido por Alexandre Fontanetti. O folk dita o ritmo do repertório autoral, mas faixas como Longe eu vou e (sobretudo) 50 cavalos – única música composta por Godá com parceiro (no caso, com Fabricio Carpinejar) – também evocam o universo da música country norte-americana. Capa do álbum ‘Nômade’, de Renato Godá Arte de André Stephan Formatado com músicos como Renato Galozzi (violões, guitarras, mandolim e banjo), Carneiro Sândalo (bateria) e Otávio Gale (contrabaixo), além do produtor Alexandre Fontanetti (nas guitarras, violão e banjo), o álbum Nômade foi gravado ao vivo, em três dias de estúdio, sem ensaios prévios. “Eu gosto da gravação espontânea, de encontrar a minha banda no estúdio, ligar os equipamentos e simplesmente tocar as músicas. Quando é dessa forma, soa diferente, o prazer é maior, a sonoridade é mais bruta, tem mais a minha cara, é como montar um cavalo arisco”, compara Godá. O toque da gaita de Ivan Márcio, músico creditado como participação especial na ficha técnica da edição em CD do disco, ajuda a sublinhar na música Sem querer te transformar a atmosfera country-folk do álbum Nômade.



Source link

Parceiro de Sandy e Iorc, Daniel Lopes cai no samba com o EP 'Todo mundo é DJ'




Parceiro de Sandy (em Respirar, música de 2016) e de Tiago Iorc (em Um dia após o outro, canção lançada por Iorc 2013), entre outros cantores e compositores, o carioca Daniel Lopes cai pela primeira vez no samba de forma ampla, geral e irrestrita no ainda inédito EP Todo mundo é DJ. O disco apresenta cinco músicas compostas pelo artista com (tentativas de) referências aos cancioneiros de bambas como João Nogueira (1941 – 2000), Moreira da Silva (1902 – 2000) e Paulinho da Viola, assim como à obra de diluidores como Bebeto. Além da música-título Todo mundo é DJ, Daniel dá voz ao Samba do medo de avião, ao Samba do otário e às músicas Chatinha pra namorar e em Mexe em nada não. Embora já tenha incursionado ocasionalmente pela cadência bonita do samba, trata-se do primeiro disco dedicado inteiramente ao gênero por esse cantor, compositor, músico e produtor que, a título de curiosidade, assinou a trilha sonora do réveillon carioca de Copacabana na virada de 2017 para 2018. “Apesar de eu ser mais conhecido pela minha ligação com o rock e o pop, já flertei com o samba algumas vezes. Mas é a primeira vez que caio realmente dentro da linguagem do samba, ainda que eu toque guitarra nesse disco, e não violão”, ressalta Daniel Lopes.



Source link

Na batida do coração, Drik Barbosa reflete quebra da corrente machista em 'Espelho'




Em um mundo ideal que equilibrasse igualitariamente o poder masculino e a força feminina na indústria da música, Drik Barbosa deveria estar lançando o primeiro disco solo – Espelho, EP com cinco músicas autorais de autoria da emergente rapper paulistana de 25 anos, compositora desde os 14 – sem depender do esquema empresarial de dois manos amigos e simpatizantes da causa feminista, Emicida e Evandro Fióti, diretores da gravadora, Laboratório Fantasma, que põe o disco (em edições digital e física) de Drik no mercado em parceria com a Pomm_elo. Contudo, no mundo real, as mulheres ainda são minoria no universo do hip hop e, em maioria, dependem do aval de colegas mais bem-sucedidos, como Emicida, para ganhar visibilidade. Foi assim com Drik, projetada de forma mais ampla na cena através de sucessivas gravações feitas com Emicida desde 2015. Só que a rapper – vista ao alto em foto de Luciana Faria – tem voz própria. Uma voz ativa, já ouvida nas gravações do coletivo feminino Rimas & Melodias. Tanto que o EP Espelho também reflete a libertação da mulher que se desprende das correntes machistas, como rima Drik em Camélia (Drik Barbosa e Grou), rap contundente em que, sobre a batida do parceiro Grou (produtor de quatro das cinco faixas do disco), a artista cita nominalmente a cantora norte-americana Nina Simone (1933 – 2003) e a atriz carioca Taís Araújo no discurso que celebra o progressivo empoderamento feminino das mulheres negras nas artes e na sociedade. A rapper Drik Barbosa Divulgação Laboratório Fantasma / Luciana Faria Sim, Drik Barbosa também bate na necessária tecla do racismo. Aliás, a rapper já foi direto ao assunto no primeiro (brilhante) single do EP, Melanina (Drik Barbosa, Deryck Cabrera, Grou e Rincon Sapiência), única faixa do disco que tem produção musical assinada por Deryck Cabrera. “A ginga predomina / Não mexe com as minas / Não mexe com as pretas na pista”, avisa Drik, imperativa, na faixa composta e gravada com a adesão do rapper Rincon Sapiência. Ter poder feminino no rap é ter o direito de seguir a batida do coração, como Drik deixa claro em outro verso do EP. O que justifica a amenização do discurso no R&B romântico Inconsequente (Drik Barbosa, Grou e Dcazz), música com menor poder de sedução no conjunto do repertório do EP, e em Banho de chuva (Drik Barbosa e Grou), tema em que a rapper versa sobre a dureza da vida com sensibilidade e sem a virulência (também por vezes necessária) dos manos do hip hop. Capa do EP ‘Espelho’, de Drik Barbosa Divulgação / Laboratório Fantasma Na autobiográfica música-título Espelho, Drik dá voz a MC Stefanie, parceira da rapper, do beatmaker produtor Grou e de Emicida na composição desse rap com toque de R&B que funciona como carta de princípios de Drik. Stefanie adensa o discurso, suavizado pela batida do coração da anfitriã. “Por onde passei, deixei rastros de amor”, inventaria Drik Barbosa, promissora voz feminina e afetiva do hip hop brasileiro.



Source link

Baixista André Rodrigues sai de cena como um dos músicos mais versáteis do Brasil




O baixista André Rodrigues Andre Muzell / Reprodução Facebook André Rodrigues O fato de o nome do baixista André Rodrigues ter constado nas fichas técnicas de discos e/ou shows de artistas conceituados como Ana Carolina, Gabriel O Pensador, Leila Pinheiro, Lulu Santos, Gilberto Gil, Maria Bethânia, Marina Lima e Vanessa da Mata, entre outros nomes, já é suficiente para atestar o virtuosismo deste músico carioca que saiu de cena na manhã de ontem, 1º de abril de 2018, aos 50 anos, vítima de atropelamento na cidade do Rio de Janeiro (RJ). Contudo, André Negão – como Rodrigues era conhecido nos bastidores do universo pop brasileiro – se destacou como músico por aliar versatilidade a esse virtuosismo. André Rodrigues foi baixista preciso, dono de técnica e suingue exemplares. Tanto que tocava samba e funk com a mesma destreza com que tocava rock e jazz. Para passar a técnica adiante, o artista lançou um livro didático – Baixo, publicado em 2000 pela editora Irmãos Vitale na série Toque junto – em que ensinava as principais linhas de baixo aos colegas iniciantes. Músico profissional desde 1991, André Rodrigues logo se projetou como baixista, ficando conhecido já em meados dos anos 1990. Depois de tocar baixo no primeiro álbum de Marina Lima como intérprete, Abrigo (1995), André passou a trabalhar com Lulu Santos, tocando em vários discos e shows do cantor e compositor carioca. Paralelamente ao ofício de músico acompanhante de cantores populares, o baixista integrou um grupo de música instrumental, FOCO, formado com João Castilho (guitarra), Marcelo Martins (sax) e Renato Calmon (bateria). Com o quarteto, lançou dois discos, FOCO (2001) e Tempo bom com chuva (2005). Entre um CD e outro do grupo, Rodrigues editou álbum solo, Codificado, de 2004. Mais recentemente, fundou com o saxofonista AC os grupos de música instrumental Atelier Jazz e Ponte Aérea (este também integrado pelo baixista Giba Favery e o pianista Marcelo Elias). Enfim, André Rodrigues sai de cena como um dos músicos mais completos do universo pop brasileiro.



Source link