Na batida do coração, Drik Barbosa reflete quebra da corrente machista em 'Espelho'




Em um mundo ideal que equilibrasse igualitariamente o poder masculino e a força feminina na indústria da música, Drik Barbosa deveria estar lançando o primeiro disco solo – Espelho, EP com cinco músicas autorais de autoria da emergente rapper paulistana de 25 anos, compositora desde os 14 – sem depender do esquema empresarial de dois manos amigos e simpatizantes da causa feminista, Emicida e Evandro Fióti, diretores da gravadora, Laboratório Fantasma, que põe o disco (em edições digital e física) de Drik no mercado em parceria com a Pomm_elo. Contudo, no mundo real, as mulheres ainda são minoria no universo do hip hop e, em maioria, dependem do aval de colegas mais bem-sucedidos, como Emicida, para ganhar visibilidade. Foi assim com Drik, projetada de forma mais ampla na cena através de sucessivas gravações feitas com Emicida desde 2015. Só que a rapper – vista ao alto em foto de Luciana Faria – tem voz própria. Uma voz ativa, já ouvida nas gravações do coletivo feminino Rimas & Melodias. Tanto que o EP Espelho também reflete a libertação da mulher que se desprende das correntes machistas, como rima Drik em Camélia (Drik Barbosa e Grou), rap contundente em que, sobre a batida do parceiro Grou (produtor de quatro das cinco faixas do disco), a artista cita nominalmente a cantora norte-americana Nina Simone (1933 – 2003) e a atriz carioca Taís Araújo no discurso que celebra o progressivo empoderamento feminino das mulheres negras nas artes e na sociedade. A rapper Drik Barbosa Divulgação Laboratório Fantasma / Luciana Faria Sim, Drik Barbosa também bate na necessária tecla do racismo. Aliás, a rapper já foi direto ao assunto no primeiro (brilhante) single do EP, Melanina (Drik Barbosa, Deryck Cabrera, Grou e Rincon Sapiência), única faixa do disco que tem produção musical assinada por Deryck Cabrera. “A ginga predomina / Não mexe com as minas / Não mexe com as pretas na pista”, avisa Drik, imperativa, na faixa composta e gravada com a adesão do rapper Rincon Sapiência. Ter poder feminino no rap é ter o direito de seguir a batida do coração, como Drik deixa claro em outro verso do EP. O que justifica a amenização do discurso no R&B romântico Inconsequente (Drik Barbosa, Grou e Dcazz), música com menor poder de sedução no conjunto do repertório do EP, e em Banho de chuva (Drik Barbosa e Grou), tema em que a rapper versa sobre a dureza da vida com sensibilidade e sem a virulência (também por vezes necessária) dos manos do hip hop. Capa do EP ‘Espelho’, de Drik Barbosa Divulgação / Laboratório Fantasma Na autobiográfica música-título Espelho, Drik dá voz a MC Stefanie, parceira da rapper, do beatmaker produtor Grou e de Emicida na composição desse rap com toque de R&B que funciona como carta de princípios de Drik. Stefanie adensa o discurso, suavizado pela batida do coração da anfitriã. “Por onde passei, deixei rastros de amor”, inventaria Drik Barbosa, promissora voz feminina e afetiva do hip hop brasileiro.



Source link

Baixista André Rodrigues sai de cena como um dos músicos mais versáteis do Brasil




O baixista André Rodrigues Andre Muzell / Reprodução Facebook André Rodrigues O fato de o nome do baixista André Rodrigues ter constado nas fichas técnicas de discos e/ou shows de artistas conceituados como Ana Carolina, Gabriel O Pensador, Leila Pinheiro, Lulu Santos, Gilberto Gil, Maria Bethânia, Marina Lima e Vanessa da Mata, entre outros nomes, já é suficiente para atestar o virtuosismo deste músico carioca que saiu de cena na manhã de ontem, 1º de abril de 2018, aos 50 anos, vítima de atropelamento na cidade do Rio de Janeiro (RJ). Contudo, André Negão – como Rodrigues era conhecido nos bastidores do universo pop brasileiro – se destacou como músico por aliar versatilidade a esse virtuosismo. André Rodrigues foi baixista preciso, dono de técnica e suingue exemplares. Tanto que tocava samba e funk com a mesma destreza com que tocava rock e jazz. Para passar a técnica adiante, o artista lançou um livro didático – Baixo, publicado em 2000 pela editora Irmãos Vitale na série Toque junto – em que ensinava as principais linhas de baixo aos colegas iniciantes. Músico profissional desde 1991, André Rodrigues logo se projetou como baixista, ficando conhecido já em meados dos anos 1990. Depois de tocar baixo no primeiro álbum de Marina Lima como intérprete, Abrigo (1995), André passou a trabalhar com Lulu Santos, tocando em vários discos e shows do cantor e compositor carioca. Paralelamente ao ofício de músico acompanhante de cantores populares, o baixista integrou um grupo de música instrumental, FOCO, formado com João Castilho (guitarra), Marcelo Martins (sax) e Renato Calmon (bateria). Com o quarteto, lançou dois discos, FOCO (2001) e Tempo bom com chuva (2005). Entre um CD e outro do grupo, Rodrigues editou álbum solo, Codificado, de 2004. Mais recentemente, fundou com o saxofonista AC os grupos de música instrumental Atelier Jazz e Ponte Aérea (este também integrado pelo baixista Giba Favery e o pianista Marcelo Elias). Enfim, André Rodrigues sai de cena como um dos músicos mais completos do universo pop brasileiro.



Source link

Erasmo abre parceria com Samuel Rosa em disco em que canta inédita de Calcanhotto




Erasmo Carlos abre parceria com o compositor mineiro Samuel Rosa, vocalista do grupo Skank, no álbum de músicas inéditas que o Tremendão lança em meados deste ano de 2018. Novo sentido é o nome da primeira parceria dos artistas, cujos caminhos profissionais se cruzaram em 1994 quando o Skank gravou É proibido fumar (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1964), rock então lançado há 30 anos. A música Novo sentido é uma das novidades do repertório majoritariamente autoral do disco produzido por Pupillo sob a direção artística de Marcus Preto. No álbum, que será lançado pela gravadora Som Livre, o carioca Erasmo também dá voz a uma parceria com o rapper paulistano Emicida, Termos e condições, e a uma canção de Adriana Calcanhotto, Seu sim, gravada com o toque do violão da compositora. Outra música do disco é Amor é isso, canção composta por Erasmo sem parceiros. Há também parceria de Erasmo com Milton Nascimento, de título ainda não revelado. Gravado com banda formada por Bruno Di Lullo (baixo), Carlos Trilha (sintetizadores), Guilherme Monteiro (guitarra e violão), Luiz Lopez (violão de aço e vocais) e Pedro Dias (baixo e vocais), além do produtor Pupillo no toque da bateria, o 31º álbum de Erasmo Carlos já tem um single lançado, Não existe saudade no Cosmos (Teago Oliveira), apresentado em dezembro de 2017.



Source link

Dupla criada por Leo Jaime e Leoni lança single em que atualiza 'A fórmula do amor'




Leoni e Leonardo. Com nome que alude espirituosamente à dupla sertaneja Leandro & Leonardo, a dupla formada por Leoni com Leo Jaime – Leonardo Jaime, na certidão de nascimento – lança na próxima sexta-feira, 6 de abril, o single A fórmula do amor II. Nessa composição inédita, Leoni e Leo atualizam e avaliam, com o benefício da maturidade, a receita juvenil de A fórmula do amor, música que compuseram juntos, no alvorecer das respectivas carreiras, e que foi lançada em 1985 em gravações diferentes incluídas em álbuns de Leo Jaime (Sessão da tarde) e do Kid Abelha (Educação sentimental). Embora incorpore termos atuais como instagram, a letra da música nova dialoga com versos do hit de 1985. Cabe lembrar que A fórmula do amor II surge no mercado fonográfico quatro meses após Paula Toller ter lançado single com regravação da música original A fórmula do amor. A canção pop de 1985, aliás, é um dos grandes destaques do roteiro de Como eu quero!, show solo com o qual a cantora e compositora carioca está em turnê nacional desde o segundo semestre de 2017. E por falar em show, Leo Jaime e Leoni – vistos em foto de divulgação de Carolina Warchavsky – também estão na estrada com o show intitulado Leoni e Leonardo e estreado vinte anos após a dupla de cantores e compositores ter se reunido no palco, em 1998, para montar nostálgico painel da modernidade musical da década de 1980 no show Fotografia.



Source link

Dissertação sociológica gera livro sobre alcance das canções do Clube da Esquina




Capa do livro “… De tudo que a gente sonhou” – Amigos e canções do Clube da Esquina Reprodução Em 2012, Sheyla Castro Diniz defendeu dissertação de mestrado em sociologia, na Unicamp, sobre a produção musical do núcleo de compositores que constituiu o movimento pop mineiro batizado de Clube da Esquina. Seis anos depois, a tese tem o texto editado publicamente na forma de livro. Com título que reproduz verso de O que foi feito de vera (Milton Nascimento e Fernando Brant, 1978), o livro “… De tudo que a gente sonhou” – Amigos e canções do Clube da Esquina está sendo publicado pela editora Intermeios – Casa de artes e livros com apoio da Fapesp. A intenção da autora foi fazer o inventário do alcance e do significado político no Brasil daquele cancioneiro criado na década de 1970, sob o império ditatorial do regime limitar, pela turma de compositores liderada por Milton Nascimento, em torno do qual se juntaram nomes como Lô Borges, Márcio Borges, Beto Guedes e Ronaldo Bastos, além de Fernando Brant (1946 – 2013), fiel parceiro e amigo de Milton desde 1967. “Texto e contexto, letra e música, gravação e interpretação, história macro da sociedade brasileira e história micro de um grupo, marginalidade e integração, regional, nacional e internacional, luta política e indústria cultural, censura, mercado e Estado, criatividade e padronização. Tudo isso aparece muito bem costurado no livro, revelando o talento da autora para – ao estudar o Clube da Esquina em geral e alguns discos de Milton Nascimento em particular – dar conta do movimento contraditório da sociedade brasileira de uma época”, propaga o prefácio assinado por Marcelo Ridenti.



Source link

Senhor compositor que faria 60 anos em 4 de abril, Cazuza é poeta ainda vivo e atual




Cazuza na capa de álbum solo de 1985 Flávio Colker O tempo não para e, no entanto, Agenor de Miranda Araújo Neto (4 de abril de 1958 – 7 de julho de 1990), o Cazuza, nunca envelhece aos olhos do público. É que Cazuza saiu precocemente de cena, aos 32 anos, deixando cristalizada no universo pop brasileiro uma imagem eternamente jovial, rebelde, de roqueiro indomado pela própria natureza exagerada. Na próxima quarta-feira, 4 de abril de 2018, Cazuza faria 60 anos de vida. É difícil imaginá-lo um senhor de idade. Mas o fato é que, se 28 anos após a saída de cena de Cazuza ainda se fala dele e ainda se canta a obra dele, é porque Cazuza foi um senhor compositor, dono de obra que tampouco envelhece. Essa obra reverbera em discos e shows que celebram o 60º aniversário de nascimento do artista. No exato dia do aniversário, Rogério Flasino e Wilson Sideral subirão ao palco do Circo Voador (RJ) na cidade natal de Cazuza, no picadeiro carioca que foi o primeiro cenário da consagração nacional do astro do pop brasileiro dos anos 1980, para cantar o repertório de Agenor com intervenções de Caetano Veloso (cantor que em 1983 chamou a atenção do público conservador da MPB para a poesia latente no cancioneiro de Cazuza) e de Bebel Gilberto (parceira de safra juvenil de 1986 que rendeu hits como Preciso dizer que te amo). Mais para o fim do mês, em 27 de abril, Roberto Menescal, Leila Pinheiro e Rodrigo Santos estreiam, também na cidade do Rio de Janeiro (RJ), show em que trazem o repertório de Cazuza para o universo da bossa nova – projeto que irá gerar CD e DVD. Faz parte do showbiz evocar a saudade dos ídolos que já saíram de cena. Contudo, se o poeta está vivo, como nunca deixou de estar desde 1990, é por conta da obra gravada ao longo dos anos 1980. Discos póstumos hão de pintar por aí, inclusive um com letra inéditas de Cazuza musicadas por nomes como Leoni e Bebel Gilberto, mas o que Cazuza deixou gravado em vida já é suficiente para que o poeta seja admitido no panteão dos grandes compositores da música do Brasil. O cantor e compositor Cazuza Reprodução / Site oficial Cazuza Cazuza se projetou no universo do rock dos anos 1980, mas nasceu no berço da MPB, filho de João Araújo (1935 – 2013) – desde os anos 1960 um dos mais importantes executivos da indústria fonográfica do Brasil – e de Lucinha Araújo, a supermãe que se tornou ativista, zelando na Sociedade Viva Cazuza pela saúde e inclusão social de crianças infectadas com o vírus da Aids. Essa vivência no seio da MPB, e da música que veio antes dessa MPB, influenciou Cazuza. Tanto que houve inusitado elo entre Cazuza e Maysa (1936 – 1977), cantora e compositora de personalidade igualmente exagerada que quebrou barreiras machistas nos anos 1950. Não por acaso, circula na web, na voz de Cazuza, registro extra-oficial do samba-canção Diplomacia, lançado por Maysa em disco de 1958, no ano em que Cazuza nasceu. Quando sentenciou que “o banheiro é a igreja de todos os bêbados”, em versos do blues Down em mim (1982), Cazuza parecia atualizar o discurso desses mestres da dor-de-cotovelo, como Maysa e o compositor Lupicínio Rodrigues (1914 – 1974), aludindo ao mesmo tempo a uma música (dos anos 1920) reavivada no repertório da também exagerada Janis Joplin (1943 – 1970), Down on me. Na alegria ou na tristeza, Cazuza foi fundo, como um poeta beatnik que vagava pelos bares do noturno Baixo Leblon à procura de um algum sentido na vida louca vida. Pode ter pecado por excessos, nunca pela falta, rimando poesia com rebeldia a mil por hora, consciente de que o tempo não para e tampouco espera por alguém. Com lirismo e passionalidade, Cazuza expiou dor de amor e celebrou o prazer do sexo (e da própria vida urbana), mas também tocou nas feridas sociais, como a infância vivida no abandono das ruas, poetizada nos versos de Milagres (1984, em parceria com Roberto Frejat e Denise Barros). Ao ver a cara da morte, o poeta pareceu também ter se defrontado também com outras realidades da vida que lhe seria breve. Foi quando aguçou a visão crítica do Brasil (perfilado no homônimo samba roqueiro de 1988 que Cazuza assinou com George Israel e Nilo Romero) e do próprio ser humano, impiedosamente retratado nos versos do Blues da piedade (1988, parceria com Frejat). Enfim, é clichê recorrer ao verso-título da canção-tributo de Frejat e Dulce Quental, O poeta está vivo (1990), mas, sim, Cazuza está tão vivo quanto atual no mês em que festejaria 60 anos de vida breve.



Source link