Como um app previu a 'explosão de recordes' de nova música de Adele



Adele no clipe do single 'Hello' (Foto: Divulgação)Adele no clipe do single ‘Hello’ (Foto: Divulgação)

Não foi surpresa que a música que marcou o retorno da cantora britânica Adele – o single Hello, do álbum 25 – tenha sido um sucesso de público já no primeiro dia de lançamento, no final de outubro. Afinal, além da extrema popularidade da artista, a expectativa era grande: ela estava em silêncio havia quase quatro anos.

A gravadora de Adele, a XL Recordings, tentou atiçar ainda mais o público com uma campanha publicitária baseada em um misterioso vídeo de 30 segundos, em que nem o nome da cantora parecia. A XL só não contava com o “poder” do Shazam, que conseguiu prever o tamanho do “tsunami” que viria a seguir.

O aplicativo, que identifica músicas captando apenas trechos delas, notou o potencial de sucesso da empreitada logo após Hellodeixar de ser um segredo.

Segundo a empresa por trás do Shazam, mais de duas pessoas por segundo usaram o app ao ouvir a canção apenas nas primeiras 24 horas após seu lançamento.

E o total de 200 mil acessos em um dia serviram como medida para o impacto da música, que, de acordo com números oficiais divulgados no Reino Unido, teve venda de 330 mil cópias, entre digitais e físicas, na primeira semana, estabelecendo um recorde de velocidade de vendas.

“Nunca um single tinha sido identificado pelo Shazam tantas vezes em um dia”, disse Daniel Danker, gerente de produto do Shazam, ao programa Newsbeat, da BBC.

O Brasil foi responsável por 2% das buscas pela música de Adele no mundo via Shazam (Foto: Shazam)O Brasil foi responsável por 2% das buscas pela música de Adele no mundo via Shazam (Foto: Shazam)

Mais uma vez o aplicativo deu mostra de sua influência para a indústria fonográfica do século 21.

O app já foi identificado pelas gravadoras como um termômetro de popularidade e não é surpresa que pelo menos uma das grandes empresas, a Warner, já tenha assinado um acordo de colaboração com ele – a gigante da música criou, inclusive, um departamento especial para artistas independentes “revelados” pelo aplicativo.

Os dados coletados pelo Shazam permitem uma compreensão bastante detalhada do desempenho de canções. A pedido do Newsbeat, sua equipe preparou até uma distribuição geográfica do interesse pela música de Adele. E descobriu que 32% das consultas vinham dos EUA e apenas 4% do Reino Unido, o país de origem da cantora – o Brasil registrou 2%.

Em termos regionais, Los Angeles, Moscou, Nova York, Santiago e Madri foram as cidades onde mais se buscou por Adele. Esse tipo de informação é valioso para o planejamento de campanhas publicitárias e turnês.

Em tempo: 25 já tem o recorde de álbum mais vendido na história na semana de estreia, com 3,38 milhões de cópias nos EUA e mais de 800 mil no Reino Unido – números que impressionam ainda mais em uma era cuja tendência geral é de queda nas vendas de música por conta da disrupção da pirataria e de serviços de streaming.

Ao que tudo indica, o hiato na carreira da cantora realmente deixou saudades nos fãs.

Se bem que, depois de vender mais de 30 milhões de cópias com 21, o álbum anterior, Adele não precisava mesmo ter tido pressa para voltar ao estúdio.





Source link

Path of Exile ganha versão em português e agora quer conquistar mais jogadores brasileiros


Por Bruno Izidro

Quando Path of Exile foi lançado, em 2013, ele chamou a atenção de fãs de RPG de ação. Mesmo sendo online e free-to-play com microtransações, a pegada old school que lembra Diablo II fez com que o jogo atraísse cada vez mais jogadores nesses dois anos de vida. De acordo com o estúdio criador do jogo, a neozelandesa Grinding Gear Games, atualmente são mais de 13 milhões de contas registradas e cerca de 1,5 milhões de jogadores ativos.

O interessante é que muitos deles são brasileiros. “Descobrimos que 10% dos nosso jogadores estão jogando a versão em inglês no Brasil”, fala o cofundador do estúdio e game designer de Path of Exile , Chris Wilson, em entrevista ao Gizmodo Brasil, durante evento do jogo em São Paulo, na última semana. “Isso é incrível pra nós e descobrimos o quão grande esse mercado é por aqui”. Por isso, o plano agora é conquistar mais jogadores no país. Como? Lançando no próximo dia 11 de dezembro uma versão em português de Path of Exile, com servidor no Brasil – o que vai diminuir consideravelmente a latência do jogo – e micro-transações em reais.